Matérias
Amazonas

Advogados de suspeito investigado em desaparecimentos no AM são procuradores municipais 

Escrito por
Redação
June 8, 2022
Leia em
X
min
Compartilhe essa matéria
Leia Também

<p>Amarildo da Costa de Oliveira, de 41 anos, preso na terça-feira (7) com drogas e munição e investigado por envolvimento no desaparecimento do indigenista Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips, terá dois procuradores municipais como advogados de defesa. </p>

<p>O Procurador-geral do Município (PGM) de Atalaia do Norte, Ronaldo Caldas da Silva Maricau, e o PGM Davi Barbosa de Oliveira, do município vizinho Benjamin Constant, se apresentaram para integrar a defesa de Amarildo. O suspeito deverá passar por audiência de custódia nesta quinta-feira (9). </p>

<p>O <a href="https://g1.globo.com/am/amazonas/"><strong>g1</strong></a> solicitou posicionamento das duas prefeituras, e aguarda retorno. </p>

<p>De acordo com o Comando de Policiamento do Interior (CPI) da Polícia Militar, o Amarildo, conhecido como ''Pelado'', foi localizado na comunidade São Gabriel, uma vila a poucos quilômetros da comunidade São Rafael, onde Bruno e Phillips foram vistos pela última vez, no domingo (5). </p>

<p>Ele teria sido visto por ribeirinhos trafegando em uma lancha logo atrás da embarcação dos dois desaparecidos no dia em que sumiram. </p>

<p>Ainda segundo as autoridades, o motivo da prisão, porém, não tem relação com o desaparecimento. Ele tinha munição de uso restrito e uma quantidade de droga em seu poder quando foi encontrado e, por conta disso, acabou autuado em flagrante.</p>

<p>A Polícia Civil e a Polícia Federal abriram inquéritos para apurar o caso. Até essa quarta (8), seis pessoas tinham prestado depoimento. Além de Amarildo, a polícia colheu informações de cinco testemunhas. </p>

<p>Segunda maior reserva do país, a Terra Indígena Vale do Javari, onde os dois desapareceram, é palco de conflitos típicos da região: tráfico de drogas, roubo de madeira e avanço do garimpo ilegal. </p>

<h2>Buscas</h2>

<p>Ainda no domingo, a União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja) começou as buscas. Sem obter sucesso, a organização indígena acionou na segunda-feira as autoridades e divulgou nota à imprensa comunicando o desaparecimento dos dois.</p>

<p>Desde então, diversos órgãos federais estão envolvidos na operação para tentar encontrá-los. Agentes da Polícia Federal e da Força Nacional de Segurança Pública (FNSP) participam das buscas, além da Marinha e do Exército. </p>

<p>Na segunda-feira, o governo do Amazonas anunciou o envio de bombeiros, policiais civis e militares para reforçar a procura.</p>

<p></p>

<p>Fonte: <a href="https://g1.globo.com/am/amazonas/noticia/2022/06/09/advogados-de-suspeito-investigado-em-desaparecimentos-no-am-sao-procuradores-municipais.ghtml" target="_blank" rel="noreferrer noopener">g1</a></p>

<p><em>*Colaborou Alexandre Hisayasu, da Rede Amazônica.</em></p>

No items found.
Matérias relacionadas
Matérias relacionadas